terça-feira, 27 de junho de 2017


Arde na terra a solidão da lua,
Iluminando meu olhar perdido em nossas histórias!
Entre campinas, abismos, flores e chapadas..
Meus olhos queimam a última lembrança.
Como fogueira em noite de estrelas
Me deito só e com você, com vista para o mundo
Calo fundo meus sonhos, minhas queixas e meus furos.
Mas alço vôo em busca de teus passos, do teu vôo..
Piso descalça na terra do teu corpo
Suave passo, suave gosto, cheiro de mato.
Meu braço laço te lança em segredo ser meu canto,
meu verso, meu soneto, meu amor.
Vem ser poema no árido deserto
Serei oásis, silêncio, festejo
Serei sertão nas horas de aconchego..
Serei silêncio no grito de amor.
...serei pra ti todos os desejos que existem em mim...
serás para mim meu único desejo e fim! (Bandys) 

sábado, 17 de junho de 2017


Queria escrever um poema,

despida de memórias

vestida de vida.

Do remanso das águas,


do amor e da dor

das mãos cheias de nada

Das casas desabitadas,


dos medos...dos segredos...da flor solicitada.

Queria tanto escrever um poema...que vestisse de luz a madrugada. 


E deixar a menina dos meus olhos, cirandar nos corredores da minha alma. (Bandys)♥